Mídias Sociais – Uma forma de quebrar paradigmas

A influência das mídias digitais estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Em qualquer área, o número de informações nesses meios é assustador, podendo, facilmente, substituir mídias tradicionais como jornais e televisão.

Apresento abaixo o artigo publicado na revista Máximo News da publicitária Aline Patini (@alinepatini), comentando sobre o caso Egito e a questão da repressão e protestos que, atualmente, vemos também na Líbia, divulgados de forma massiva nos meios de comunicação.

A grande questão, é como podemos sociabilizar as pessoas, gerar conectividade através de novas redes sociais? Realmente existe uma verdade Aldeia Global e, o Homem está se unindo e inserindo suas idéias em assuntos que, antes, eram proibidos? Qual o poder da tecnologia para gerar idéias, criar novos conceitos e quebrar barreiras antes jamais vistas ou imaginadas?

Convido a você a ler este excelente artigo desta magnífica publicitária a qual está antenada a todos os acontecimentos. Sejam bem-vindos a era digital!

————————————————————————————————————————

Artigo Publicado na Revista Máxina News – Edição Fevereiro / Março 2011

Mídias Sociais + Você + Eu = Grandes Mudanças

Você ainda duvida da grande força das mídias sociais? Então está na hora de reavaliar seus conceitos.

Nesses últimos dias acompanhamos a mobilização do povo egípcio.

Cansados da opressão do ditador Hosni Mubarak que ocupava o poder a trinta anos, resolveram protestar e viram na internet a ferramenta necessária para ampliar a disseminação de seus pensamentos revolucionários.

Uns dos grandes responsáveis pela maior manifestação organizada na rede foram o jovem de trinta anos, executivo do Google e blogueiro influente, Wael Ghonim (@ghonim) que voltou ao país para participar dos protestos. Ghonim lançou alguns dias antes das manifestações uma espécie de pesquisa no Facebook com a seguinte pergunta: “Você vai protestar em 25 de Janeiro?”. Quase noventa mil pessoas responderam “sim” na web. Poucos dias depois milhares de jovens saíram às ruas em busca de liberdade.

Os manifestantes usaram câmeras de celulares para registrar o que estava acontecendo e transmitiam para o resto do mundo. Mesmo quando o governo optou por tirar a internet do ar, os usuários da rede deram um jeito de driblar as restrições.

Pessoas em outros países se comunicaram com os manifestantes por meio de telefones móveis e fixos e atualizavam as notícias em blogs e pelo twitter.

No dia vinte e sete de Janeiro Ghonim foi pego, passando doze dias preso com os olhos vendados. Ao ser libertado virou herói popular e twittou a seguinte mensagem: “A liberdade é uma benção pela qual vale a pena lutar”

O resultado, já é conhecido: No dia onze de Fevereiro Mubarack renuncia.

Sabemos que é apenas o começo de uma longa caminhada para a reestruturação do Egito, mas é um começo. Um novo rumo para toda humanidade, que aprendeu com esse episódio que é possível. Neste momento posso citar meu querido professor do curso que fiz na ESPM, Gil Giardelli:

“Será que a Revolução Francesa nos deu liberdade, a Revolução Verde nos deu comida e a Revolução Digital nos deu novamente a chance de viver em rede?”

Sim, meus amigos, estamos mudando o mundo e acredite, ele vai melhorar.

Aproveito e incentivo quem estiver lendo minha matéria a seguir o @forasarney no twitter, movimento brasileiro contra um governo que ainda insiste em viver no “tempo das capitanias hereditárias”.

Meu coração neste momento pulsa por mudanças e você o que tem feito?

________________________________________________

 Aline Patini é Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Unimep. Presta assessoria de propaganda e marketing para pequenas e médias empresas.

Contatos: LinkedInTwitter, Facebook

 

Estratégia como Diretriz da Ação Musical

A intenção estratégica em uma empresa, sendo esta de pequeno, médio ou grande porte, deve estar integrada a todos os colaboradores para que cada ação, decisão, atinja o melhor direcionamento de acordo com planejamento geral da alta diretoria em conceitos pré-estabelecidos, tornando a empresa responsável pelo seu próprio destino.

Essas técnicas podem ajudar uma banda ter um direcionamento estratégico no mundo musical e ter um desenvolvimento satisfatório quando os três conceitos, Missão, Visão e Valores, estiverem alinhados com os músicos do grupo.

  • Missão:

É a razão de existir da banda. Por que vocês se uniram? Qual a filosofia vocês adotaram? Respondam: “Quem somos?” “O que fazemos?” “Para quem?” e “Como vamos fazer?” Ou seja, é o conjunto de procedimentos que uma banda adota para realizar uma Visão.

  • Visão:

Qual o desejo? Aonde vocês querem chegar? Isso é em longo prazo, é a necessidade de um direcionamento. O que vocês esperam ser daqui 5, 10 ou 15 anos?

  • Valores:

Envolvem costumes, posturas, ideias, atitudes, comportamento de todos os integrantes. Todos têm que compreender e reconhecer quais são os valores da banda. As atitudes de um grupo serão responsáveis para alçar a Visão da banda.


Vou dar exemplo da empresa TAM.

  • Missão:

Com trabalho e “espírito de servir” fazer as pessoas felizes.

  • Visão:

Ser a maior e mais lucrativa empresa de transportes aéreos.

  • Valores:

– Nada substitui o lucro;

– Em busca do ótimo não se faz o bom;

– Mais importante que o cliente é a segurança;

– Pense muito antes de agir;

– A humildade é fundamental.


Exemplo de uma banda fictícia de pop/rock:

  • Missão:

Somos uma banda de pop/rock brasileiro, voltada para o público de todas as idades, garantindo a melhor qualidade de música e shows, com os melhores repertórios de banda consagradas do meio musical brasileiro e contribuir para o entretenimento em quaisquer eventos.

  • Visão:

Serer referencia na cidade de Piracicaba para apresentações em bailes, bares e eventos em geral.

  • Valores:

Entretenimento, Qualidade, Musicalidade, Profissionalismo, Comprometimento, União e Amizade.

————–

No próximo artigo, irei disponibilizar o Questionário de Quociente de Intenção Estratégica – SIQ – adaptando as perguntas para uma banda.

 

Gerenciando projetos, desenvolvendo novas ideias

 

Para tirar suas ideias do papel, é necessário planejamento, organização e um poderoso Feedback. Saiba organizar sua banda e garanta eficácia no seu trabalho.

 

Para cada desejo, determinam-se alguns caminhos para que possamos autenticar nossos objetivos de forma clara e criarmos algumas regras que facilitarão o cumprimento de nossas metas. Um show, uma turnê, a gravação de uma demo, por exemplo, podem ser nomeados de “projetos”, pois são oportunidades que merecem um planejamento, são temporários e sempre envolvem riscos e incertezas, no entanto, são conquistas que nos dão prazer, satisfação de dever cumprido, pois são desafiadores.

Um projeto bem estruturado nos dá a possibilidade de diagnosticarmos possíveis problemas, verificar compatibilidade de ideias e organizar os processos que se deve realizar no período de desenvolvimento, ou seja, a hora do “fazer acontecer”. Tudo isso, pode parecer complicado, todavia, é fácil diagnosticarmos inúmeras bandas que não fazem um projeto detalhado para cada ideia e acabam criando um processo completamente inverso, perdendo qualidade, tempo e dinheiro.

 

Organização básica de procedimentos

O músico gerenciador de projetos tente a caminhar para um determinado perfil de competências e, cabe a ele, reconhecer em qual perfil se enquadra; Proatividade, foco em resultados, comprometimento, liderança, prioridades, persistência, capacidade empreendedora etc. Existem diversos estilos de competências encontrados num grupo de pessoas, o importante é compreender como trabalhar com cada indivíduo e extrair o máximo deles para alcançar seus objetivos.

Um projeto, trás em seu escopo, uma boa análise do prazo de desenvolvimento, uma ótima análise do mercado, observando a intensidade da competição entre participantes, verificando as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, além da visão, missão e valores do grupo musical e, é claro, uma ótima análise de risco, pois todos os projetos envolvem incertezas e os músicos devem reconhecê-los e como contorná-los da melhor maneira possível. Vale lembrar sobre o objetivo de tudo isso, seus custos, lucros, despesas, os envolvidos etc. Resumidamente, saber aonde se quer chegar com uma ideia e o que fazer para realizá-la, como fazer, com quem conversar, sem transtornos, com pouco risco e muita organização.

Pensem nisso e rabisquem no papel seu planejamento e, no caso de uma banda, certifique-se que todos estão cientes disso e defina meta para cada um de seus colegas, para que todos tragam resultados e os trabalhos sejam ainda mais produtivos. Tenham o hábito de realizar periodicamente uma análise de resultados, com feedbacks de cada integrante abordando seus projetos, dificuldades, novas ideias etc. Lembrem-se; Não se limite a um projeto. Somos máquinas de sonhos. Então, mãos a obra!

Exemplos de projetos musicais:

– Shows;

– Turnês;

– Gravação de um CD;

– Workshops;

– Aulas de um determinado instrumento;

– Trocar de instrumento.

Exemplos de projetos pessoais:

– Trocar de imóvel;

– Casamento;

– Ter um filho;

– Comprar um carro.

Entrevista com Netto Cambiaghi para o Grupo Empresarial de Piracicaba

Ele é simpático, bem humorado, sincero e faz com prazer o que ama.

Acha que o par perfeito e um par de baquetas torneadas e balanceadas, apesar de declarar amor eterno somente a namorada, declara-se viciado, obsessivo e complusivo crônico por música. Esse é Nettão Cambiaghi, leiam e aprendam e muito não só sobre musica, ou marketing mas acima de tudo sobre paixão pelo que faz !!
O que é Marketing Musical?
Marketing Musical é toda a parte burocrática, artística, visual, cultural, musical, na qual visa o desenvolvimento da carreira particular ou de uma banda/grupo. Engloba todos os processos administrativos tais como a parte financeira, logística, propaganda, recursos humanos, vendas e compreende também na parte artística; Ensaios, repertórios, desenvolvimento de competências artísticas, qualidade dos instrumentos, gravação de um material fonográfico ou videográfico, shows, iluminação de palco, visual, estilo, público, músicas próprias ou covers, duração de shows, escolha de uma gravadora etc. O Marketing Musical está atento a cada detalhe e ciente de todos os passos do músico ou banda, gerenciando um planejamento e ações ímpares para cada momento da carreira.
Há quanto tempo você faz marketing musical?

Esta visão sempre me acompanhou em qualquer banda na qual participei. Lutei para desenvolver o músico como profissional não levando apenas como um hobby, mas como uma profissão digna de respeito.
Qual a formação necessária para se fazer Marketing Musical?

Para todos: Pós Doutorado em competência, vontade, visão, objetividade, criatividade, foco, pró-atividade, empreendedorismo, não ter medo de perder, lutar pelos ideais, ser formador de opinião, garra e humildade.
Para o profissional: No mínimo, noção de propaganda e marketing, administração, ser músico, entender de mercado, finanças, recursos humanos etc. Formação superior é bem vinda.
Como o Marketing Musical pode interferir em uma carreira?

O Marketing Musical interfere de maneira significativa na carreia de um artista através de um planejamento estruturado e particular, simultaneamente criando estruturas de comunicação, fazendo o artista ter um maior engajamento técnico sob sua carreira e criando soluções para seus objetivos e metas. É uma ação que visa também aperfeiçoamento de atitudes artísticas e pessoais, facilitando todo o processo administrativo, aonde artista terá domínio de todo seus processos presentes e futuros.
O Marketing Musical é o gerenciamento da carreira musical ou temos outras ações para o “sucesso”?

Todas as ações referidas na carreia do músico englobam em ações de marketing sempre voltadas para um objetivo estipulado pelo artista. Essas ações, que são acompanhadas por um profissional, não devem ser focadas de modo singular. O profissional de marketing, com seu conhecimento técnico, irá aferir oportunidades junto com o artista para que cada ação não tenha um efeito retrogrado, possibilitando novos caminhos e ações eficazes.
Hoje, os promotores de evento entram muito no campo do Marketing Musical. O que você acha disso?

Promover eventos e trabalhar no marketing de uma banda ou carreia são assuntos completamente diferentes, porém, ambos podem trabalhar juntos. Acredito na segmentação de trabalhos, pois é impossível dominar assuntos distantes com competência. Os músicos necessitam observar detalhadamente os profissionais que se autodenominam publicitários ou marqueteiros.
Qual sua relação com os promotores de eventos?
Promotores de eventos artísticos? Possuo uma boa relação, principalmente se tratando dos quais eu me relaciono, pois são ímpares em seu trabalho. É gratificante conhecer pessoas que agregam seus conhecimentos na cultura da cidade.
É mais facil “marketar” uma carreira musical ou uma empresa?

Não acredito na teoria do: “Isso é mais difícil que aquilo”. O trabalho que um diretor de uma multinacional possui é semelhante ao de um diretor de uma pequena empresa. Ambos precisam pensar na empresa como um todo, focando nos bons resultados. No meio musical/artístico não é diferente, a banda é uma empresa, que fabrica um produto (música), e isto se torna eficiente quando todos os envolvidos encaram isso como realidade. Envolve rotinas burocráticas, como: pagar contas, marcar shows, atender os fãs, fixar sua marca no mercado etc, ou seja, possuir um diferencial competitivo é o critério básico que uma banda ou artista necessitam hoje.
Até pouco tempo atrás, o trabalho de gerenciar a carreira musical era amador, artesanal ou somente a gravadora podia mexer nisso. Com o quebra-quebra das gravadoras como ficou isso hoje?

Discordo quando você afirma que essas ações eram amadoras. O que na verdade ocorre atualmente é a maior consideração das pessoas aos conceitos de marketing e visão administrativa dos negócios. O ser humano está progredindo no quesito inteligência e essa afirmação torna-se verdadeira quando observamos os jogos de vídeo-game lançados atualmente, os quais se tornaram mais estratégicos e intelectuais, mostrando a eficiência da Geração Y no mundo atual. Não concordo com sua afirmação porque neste caso, como os Beatles são lembrados até hoje? Eles tiveram assessores de marketing e relações públicas altamente capacitadas para gerirem seus negócios. Em relação à quebra das gravadoras, considero isso altamente produtivo para ouvintes e profissionais, pois faz com que as gravadoras se reinventem a todo o momento sendo obrigadas a ter ideias brilhantes, assim produzindo novas oportunidades de emprego e abrindo mercados para novos talentos.

Quais são as principais ações de Marketing no início de uma carreira musical?

É impossível determinarmos ações preliminares antes de compreendemos os objetivos e metas do artista. A partir do Planejamento, que o profissional de marketing faz junto com o artista, adotamos políticas de estratégias e comunicação eficaz para que em última estância mensurar resultados. O profissional realizará uma análise completa das Forças, onde levantamos pontos positivos, Fraquezas, listar pontos negativos, dificuldades, Oportunidades, encontramos caminhos diferentes e Ameaças, focamos se existem concorrentes, problemas técnicos. Existe a necessidade de observarmos os desejos e compreender todos os sonhos, anseios, capacidade e habilidades técnicas do profissional da música. A partir de então, iniciaríamos uma ação.
Um bom gerenciamento e ações de marketing bastam?

Não bastam, porém ajudam muito. Existem inúmeros casos de artistas que conquistaram o estrelado por possuírem excelentes estrategistas de marketing gerenciando suas carreiras. No entanto, para se tornar eterno e inesquecível é preciso, a cima de tudo, talento, vontade e objetividade.
O que você faz ao receber uma Demo? Promete? Arquiva?
Sou detalhista ao extremo focando cada detalhe do material, desde a maneira no qual foi apresentado a mim como também seu visual gráfico, qualidade da gravação, masterização, mixagem e execução das músicas.

Você já se deparou com gente de pouco ou nenhum talento que mesmo assim “acredita” e “insiste”?

Não existem pessoas ausentes de talentos, mas sim pessoas ausentes de direcionamento e orientação. Isso pode acontecer através de um profissional ou amigo, os quais tenham uma visão exigente, orientando através das forças, fraquezas, ameaças e oportunidades do artista. A insistência é fundamental neste caso.

Para os “sem talento” você diz a verdade?

Quem sou eu para dizer que alguém não tem “talento”? Existem diversos casos de grandes artistas mundialmente conhecidos que foram criticados como Elvis Presley e nem por isso desistiu. Como citei na perguntar anterior, orientação e um bom direcionamento são os verdadeiros caminhos para o sucesso. O profissional de marketing musical deve agir como um verdadeiro líder e orientar com amor, apresentando soluções, respostas, competências que o artista desconhece, mostrando objetivos, caminhos novos e ferramentas para superá-los. Não devemos reprimir os sonhos das pessoas e assim direcionar para uma maior realização de soluções. Se a crítica não for complementar e salientar ainda mais a competência de alguém, então a incompetência é de quem critica, pois essa não tem a capacidade de servir ao outro.
Existem músicos com talento, mas que não se importam em vender ou apresentar seu trabalho como um produto comercial?

Sim, diversos.
Como você lida com uma atitude dessas?

Sem problema nenhum, pois acredito que a música, entre todas as artes, é a que mais expressa o sentimento do ser humano e por isso não é necessário ter vínculo profissional, vai da consciência de cada um. Podemos citar e principalmente resgatar a memória do grande médico Bezerra de Menezes, que em sua carreira profissional, dedicou-se a consultar os menos favorecidos, pelo simples prazer da caridade. É de extrema necessidade colocar amor no que se faz.

Em um o mercado musical tão diversificado com rock, pop, MPB, samba, axé, pagode, reggae, etc. Quais são as dificuldades do Profissional de Marketing para lançar um músico?

O profissional de marketing musical encontra hoje no mercado músicos que almejam sucesso instantâneo, que desejam o reconhecimento pelas empresam que o endossam, tudo com pouco esforço, muito sucesso e muito dinheiro. Esquece da garra, determinação, e acima de tudo, executar a sua profissão, sua música.
Que estilo musical você lançaria, hoje, com certeza de sucesso?

Com a flexibilidade do mercado é necessárias diversas técnicas para mensurar novas tendências no mercado. É gratificante observar o mundo saturado de novos artistas dos mesmos estilos, pois vence aquele que possui a melhor estratégia a maior garra, a maior determinação e, o maior importante de tudo, aquele que sabe inovar, independente do seu estilo musical.
As novas mídias são um desafio para o seu trabalho de marketing?

As novas mídias digitais estão quebrando um paradigma existente há anos que são as barreiras entre a questão profissional e a iniciação da carreira musical, além de mudar tendências do mercado, independe da área de atuação. Como publicitário ando paralelamente as novas tendências do marketing digital, descobrindo novos meios de comunicação e interação entre pessoas e novas oportunidades, pois a internet é uma rede de pessoas e não de mídias, computadores, especialistas e dados estatísticos. As mídias digitais exacerbaram a disponibilidade e a velocidade de transmitir informações e os publicitários devem alocar recursos para detectar e gerenciar as informações existentes.
E o “jaba”, ainda existe?

Sim, existe. É um assunto bastante polêmico, pois é a maneira dos artistas famosos continuarem no topo ou artistas pouco conhecidos estourarem. São praticadas por mídias que detêm grandes audiências, no entanto, conforme disse na questão anterior, as mídias digitais estão reestruturando o conceito de “aldeia global” e da comunicação mundial, e neste caso, os artistas devem ficar atentos com os meios que possibilitam um acesso com os fãs e também maior visibilidade do próprio trabalho, no caso, as mídias sociais, gerando fidelidade aos ouvintes e uma maior interatividade com inumeros músicos e formadores de opinião, atribuindo essa atitude como uma vantagem competitiva.
Carreira bem-sucedida, sucesso garantido, músico consagrado – trabalho bem feito e concluído ou ainda muito a se fazer?

Quando o músico chega neste ponto, o trabalho triplica. Você tem um nome (marca) a zelar, fãs revoltados, papéis burocráticos, televisão, contas, contratos, produtor, produtora, gravadora, colaboradores que trabalham para você, advogados etc. Ninguém vive só de glórias. Lembrando que você terá provavelmente uma família, filhos, casa, investimentos, irá aplicar na bolsa, nas empresas, vai querer gerar seu próprio dinheiro, ter um consultório contábil e, principalmente, estudar seu instrumento para evoluir como músico.
Existem ações de Marketing para que o sucesso continue?

Com certeza. Tudo envolve o Ciclo de Vida do Produto. Uma banda ou uma carreira tem sua “Introdução”, “Crescimento”, “Maturidade” e “Declínio”. Cada um desses itens merece atenção e sua estratégia de marketing individual. Explicando de uma forma bem rápida, na Introdução, a banda é nova, merece um marketing mais intenso para as pessoas conhecerem a banda e ter uma identidade forte e própria. Aqui, os lucros são mínimos, quase sempre, nenhum. É necessário investir. Já no Crescimento, a banda já ganha algum dinheiro, tem possibilidades de expandir no mercado através de shows, networking. Começa chegar os concorrentes. Aqui o marketing é necessário para sustentar a marca, apresentar qualidades de shows, preços, logística, promoção de vendas. Aqui é onde mora a criatividade. Na Maturidade os lucros caem um pouco, as pessoas já conhecem você, sua banda, as músicas que vocês tocam, já assistiram aos seus shows algumas vezes, então, o marketing precisa ser apelativo. È necessário diferenciação no mercado. E por último, o Declínio. Os lucros param drasticamente, caem em esquecimento e demanda pela banda. É um dos períodos mais complicados por neste momento ou você desistir ou dar a volta por cima e planejar uma volta triunfante.
Uma história de Marketing musical bem sucedida é…?

Um sonho virando realidade. Existem muitos “cases” de sucesso. Um deles é a banda de Rock N´Roll, KISS, o qual julgo um case impressionante, pois nada foi por acaso; roupas, maquiagem, língua; foi tudo planejado, eles acresceram o que faltava no rock, o “teatro” o “show”. Criaram personagens, criaram um mistério com a identidade deles, foram humilhados pela ousadia, mas não desistiram, apenas inovaram. Chamaram até uma banda famosa na época para abrir o show deles, mas nunca pagaram. Chegavam de limusine nos shows e prometeram pagar algumas pessoas para ficar gritando e pulando com o nome KISS na camiseta, gerando mídia espontânea, jornal, revista etc. Ninguém compreendia, mas era novo, eram empreendedores. Hoje eles têm canecas, camisetas, bonecos e até mesmo preservativos masculinos. Ganham absurdos com merchandising. Algo incrível, eles merecem uma tese de mestrado.
Na cena musical de Piracicaba temos muitos músicos e bandas “tentando”. Daria um conselho para esse pessoal?

Vocês têm que se perguntar: Aonde queremos chegar? Como vamos estar daqui a 5 anos? Se não souberem responder essas perguntas, é melhor para e pensar sobre isso. É algo simples, mas se todos os integrantes da banda não souberem responder, não vai dar certo. É igual à Missão, Visão e Valores de uma empresa. Como irá gerar lucro, irá crescer, se os próprios funcionários não sabem qual o objetivo ao ser alcançado? Temos que conhecer a “filosofia de vida” de cada integrante. Às vezes vocês são muito talentosos, mas alguém atrapalha, pois não têm as mesmas idéias que os outros para andar no mesmo caminho. Vejo músicos que não se valorizam. Tocando em bares que não pagam. Você trabalha por trabalhar? Como você quer ser respeitado se você nem ganha pelo seu esforço? Tenham um planejamento, cuidem da sua saúde e não sejam músicos tocando bêbados, com instrumentos muito ruins. O produto de vocês é a música e a ferramenta que você usa não pode ser de maneira nenhuma, ruim. Por favor, sejam humildes a ponto de perguntar alguma coisa para alguém, vejo músicos extremamente competentes na cidade que não tocam em lugar nenhum. Ensaiem, ensaiem, treinem, treinem, estudem seus instrumentos. Quer ser músico profissional? Ok vão em frente, mas não estude somente o necessário porque não dá certo. Aliás, você tem que estudar 24 horas, lendo, se atualizando, pesquisando e ouvindo. Seguindo esses caminhos, tenho certeza que você será bem sucedido. Mas não confunda isso com fama, dinheiro, RockStar.

O músico que quiser fazer uma ação de marketing em sua carreira vai ter que gastar muito?

Depende de onde ele quer chegar e o que ele quer atingir. Ele irá contratar um profissional de marketing para assessorá-lo? Em minha opinião o que gera lucro é a criatividade e a maneira como você irá falar o que todo mundo quer dizer. O músico tem que pensar: “Por que vão me contratar ou comprar o meu produto? Qual é o meu diferencial? Posso ser considerado único? Quais são meus pontos fortes?” Isso inclui uma análise de Forças, Franquezas, Oportunidades e Ameaças. Em breve no meu Blog (www.blogresm.blogspot.com) irei escrever um exemplo sobre isso. É necessário um planejamento de carreira, um planejamento da banda. Isso leva tempo, paciência, estratégia e objetividade.
Seu trabalho de Marketing Musical te coloca na night e em shows. Você recebe muita cortesia?

Recebo alguns convites, sim, mas as pessoas que me conhecem um pouco sabem que eu sou “caseiro”, e prefiro ambientes mais calmos e com mais amigos.
Existem as “mães de miss” (aquelas que estão sempre junto e acham a filha a mais linda e melhor de todas) – Existem as mães de músico?

Acredito que o apoio familiar é o mais importante de todos. E, no meu caso, meus pais foram às pessoas mais sinceras que já convivi, então a honestidade deles até assustavam as pessoas mais reservadas. Cresci muito com isso, não só na música, mas também como pessoa.
Para o sucesso de um músico, beleza é fundamental?

A beleza está nos olhos de quem vê. O Marketing Pessoal é eficaz para qualquer músico, mas isso não envolve beleza, pois é algo genético, envolve você cuidar do seu corpo, da sua mente, do seu espírito, da sua saúde. É necessário ter uma boa oratória, escrever sem erros de português, ter cultura, educação, ler jornal, saber falar outras línguas, saber se vestir bem dentro do seu estilo e não usar drogas.

É mais fácil fazer marketing de músico bonito, a beleza é incluída no Marketing?

Com certeza, mas envolvendo o que disse na pergunta anterior o músico torna-se completo, pois a embalagem do produto pode ser interessante, mas o conteúdo, no final das contas, é o que interessa.
Bem…“at least, but not the last…” Você se considera um profissional realizado? Ou há ainda muitos sonhos e projetos pela frente? Você se importa em compartilhá-los conosco?

Sim, muito realizado! Independente da fama, sucesso ou dinheiro, mas das realizações, objetivos e metas cumpridas. O que eu, Netto, quero para minha vida e o que eu faço para conseguir? Quanto é minha força de vontade de tirar do papel e fazer acontecer? Hoje, posso dizer que sou o que eu imaginava ser no passado. Sou muito obstinado e sempre com projetos, idéias, mas não era pró-ativo. Objetivos mudam, e nunca quero ser 100% satisfeito. Sempre existe a possibilidade em melhorias, evolução, estudar e aperfeiçoar. Não quero viver para sempre, mas quero fazer tudo o que a vida pode me proporcionar.
O futuro? Sou graduado em Publicidade e Propaganda e quero desenvolver ainda mais na área de Marketing. Quero fazer pós-graduação em Administração de Empresas, MBA em Marketing e chegar ao Mestrado também e, quem sabe, um Doutorado. Nunca vou parar de estudar, desenvolver competências para sempre evoluir. Na área da música estou terminando minha palestra sobre “Gestão de Marketing no Mercado Musical”, quero apresentar esse material, escrever um livro, escrever métodos de bateria para o meu curso e também melhorar o meu método do curso de gaita, focados na criatividade, e não simplesmente fazer igual a outros métodos no mercado. Quero voltar fazer aulas em São Paulo de bateria e gaita, com grandes mestres desses instrumentos.
Já existem músicos ou bandas com o carimbo: “Produzido por Nettão Cambiaghi”?

Não considero isso um objetivo de curto prazo. Talvez no futuro, pois hoje seria impossível garantir um trabalho eficaz com o tempo escasso que tenho. Desejo muito assessorar bandas e músicos que ainda não tenham esta visão empreendedora da música e também continuar meu projeto chamado “Projeto Música Total” o qual tem por objetivo levar a música para as pessoas, que não têm essa oportunidade, de forma eficaz e prazerosa. Já fiz palestras sobre música e comunicação em orfanatos, mostrando um pouco desse mundo da música e quero continuar nesta linha, também investindo nos eventos musicais e educacionais em Piracicaba. Gostaria de agradecer imensamente a oportunidade de participar deste Blog, que sem dúvida nenhuma é uma iniciativa inovadora no mercado de Piracicaba. Meus contatos são:

www.blogtresm.blogspot.com
http://www.twitter.com/nettaocambiaghi
http://www.facebook.com/nettaocambiaghi
nettaocambiaghi@hotmail.com

Entrevista publicada no Blog do Grupo Empresarial de Piracicaba – http://www.grupoempresariospiracicaba.com.br/2010/07/entrevista-nettao-cambiaghi-do-blotresm.html

Qual a importância da Pesquisa e do Comp

Qual a importância da Pesquisa e do Composto Mercadológico para sua banda? – http://bit.ly/9gxqgR

Categorias:Uncategorized

A importância da Pesquisa e do Composto Mercadológico na Música

Para alcançar objetivos e metas traçadas, existem alguns elementos que uma banda/músico pode e deve levar em consideração na hora de elaborar uma estratégia de marketing. Para focar nas necessidades dos apreciadores da sua banda, a segmentação mercadológica é o primeiro passo para identificar fatores sólidos referentes ao seu público-alvo, dessa forma, seu grupo pode estabelecer metas e buscar novos horizontes.
Faça uma pesquisa identificando atitudes, valores de comportamento, local aonde freqüenta etc. Existem inúmeros tipos de pesquisa que você pode aplicar junto aos integrantes da sua banda:
Pesquisa de Observação: Reúnam dados observando pessoas, cenários, locais para apresentação, bares locais. Preste atenção sobre os comentários das bandas concorrentes, ou não, que fazem show em sua cidade.
Grupo de Foco (Focus Group): Faça uma reunião com 6 a 10 pessoas entre músicos, apreciadores de bandas ao vivo, formadores de opinião, com diferentes gostos musicais e estilos, formando um roteiro de discussão e levantando tópicos importantes para seu direcionamento musical.  
Levantamentos de Dados: Pesquisa voltada para mensurar o grau de satisfação do público referente a alguma apresentação, por exemplo. Idade, sexo, estilo musical, melhor banda da noite, pontos negativos, pontos positivos, o que pode melhorar, que música acrescentar/tirar etc.
 Dados Comportamentais: Como o público se comportou no seu show? Como ficaram sabendo da apresentação? Que tipo de bar que as pessoas costumam frequentar? Tem alguma música que agita mais a galera?
Essas são as pesquisas mais conhecidas. Procure ajuda de um profissional para descobrir o qual tipo de pesquisa é mais indicado para sua banda e para seus objetivos. Todos os aspectos levantados por uma pesquisa são de extrema importância na hora da divulgação do seu show, lançamento de um material promocional (CD/DVD, Shows), e também manter um canal de relacionamento com seus futuros fãs.
Após definir seu nicho de mercado, você está apto para começar sua estratégia de marketing para seu grupo musical focando no Composto Mercadológico, mais conhecido como “4P´s”; Produto, Preço, Praça (ou Ponto-de-Venda) e Promoção (do inglês product, price, place and promotion).
Produto: Nada mais, nada menos, que sua banda, seu show, seu CD, DVD, inclusive você. Pense na Qualidade do seu show, no Design, pense na estética; seu visual, seu cabelo, suas roupas, a qualidade do seu instrumento, nos seus vícios, na capa do seu CD, suas melhores Características, Nome da banda, logo tipo, estilo musical, repertório etc.
Preço: Muitos músicos têm um sério problema em vender seu produto. E quando os bares e casas de shows jogam o preço lá embaixo, eles aceitam e depois reclamam da desvalorização do profissional da música. Na verdade, o maior responsável por isso é o próprio músico. A estratégia de definição de custos e valores entra nessa etapa; Pagamentos, descontos, prazos, burocracia, divisão de lucro dentro da banda, porcentagem de investimento etc.
Praça: É importante saber aonde se encontra seu público-alvo para fazer a distribuição do seu produto de forma eficaz. É hora de mapear locais interessantes para realizar apresentações, transporte (logística) de instrumentos e integrantes da banda, manutenção e disponibilidade de equipamento no local, iluminação de palco, elementos técnicos, figurino, duração, repertório etc.
Promoção: Composto ligado diretamente a Publicidade e Propaganda. É um conjunto de ferramentas de incentivo às ações que você irá utilizar para promover seu produto. CD, DVD, cartão, brindes, release, camisetas, fã clube, descontos, convites, eventos, anúncios, força de vendas, relações públicas etc. Aqui você também irá pensar no seu logotipo, as cores que remetem sua banda, fotos promocionais etc. Uma boa ação promocional é peça chave para seu sucesso!

Artigo na Revista Fusão Cultural – Abril – 2010

Gestão Empresarial no Mercado da Música
O aclamado sucesso ou o reconhecimento sempre são desejados tanto pelas bandas iniciantes quanto pelas de nível profissional. Entretanto, o que poucos sabem é que para chegar ao topo é necessária a gestão da carreira, que consiste em traçar exatamente qual o caminho seguir: planejamento.

Existem ações administrativas que auxiliam no desenvolvimento da carreira musical. Apesar de elas não levarem a fama instantânea, apresentarão novas percepções, servindo de alerta, principalmente, aos mais deslumbrados, de que o caminho para atingir o sonhado objetivo é longo e árduo, mas pode ser organizado e encurtado com ações certas, baseadas em um planejamento estratégico bem definido.

Quando uma banda almeja o profissionalismo e se envolve com o mercado musical, o trabalho executado deve ser encarado da mesma forma que uma empresa faz ao desenvolver um novo produto, agregando conhecimentos em propaganda, marketing, contabilidade, logística, recursos humanos, entre outras questões que muitos na ânsia de fazerem fama acabam vendo-as como desnecessárias, mas definitivamente, não são.

 Entendendo que todas as ações da banda devem ser planejadas, você começa a focar suas atitudes, evitando assim, gastos desnecessários ou até mesmo tempo perdido. Um bom item que deve ser analisado é seu público-alvo. Conhecê-lo detalhadamente fará com que você tenha as diretrizes certas para uma boa campanha de divulgação, incluindo o mapeamento dos lugares ideais para apresentações, evitando assim tocar em ambientes que não acrescentarão nada em sua carreira, pois seu público não freqüenta todos os bares e casas de shows da região.

A seguir, alguns departamentos presentes em empresas e o que eles podem fazer pela sua carreira:

Propaganda e o Marketing: irá lhe auxiliar no desenvolvimento do nome, logo e até mesmo mostrar qual o posicionamento da sua banda no mercado musical: Como você deseja que sua banda seja lembrada? A Propaganda aliada ao marketing é capaz de trazer soluções criativas e sólidas para a melhor divulgação de sua carreira.

Financeiro: irá reunir informações de custos, valores e despesas como aluguel de estúdio, transporte, próximos investimentos, compra de novos instrumentos entre outras diretrizes. É muito importante que a banda tenha um caixa, onde todos os integrantes possam avaliar os lucros e prejuízos e discutirem quanto será cobrado pelos shows, lembrando que o valor não pode ser único, havendo flexibilidade diante das análises de todos os gastos envolvidos no mesmo.

Vendas: Os músicos, em sua grande maioria, exercem sua profissão com muito amor e prazer, muitas vezes nem julgam o ato de tocar totalmente profissional, com esse pensamento não conseguem valorizar o seu produto, fazendo com que as vendas dos shows acarretem em grandes prejuízos.  Os bares e casas de shows sabendo desta fragilidade de negociação de muitos normalmente ofertam um preço baixo pela apresentação, o músico aceita, contribuindo para a desvalorização do profissional.

Existem outros departamentos tão necessários quanto esses, e que devem ser igualmente avaliados. Com as informações passadas já dá para por algumas idéias em prática, certo? Recicle seus conhecimentos, descubra outros estilos musicais além do seu, busque conhecer novas pessoas, participe de eventos, shows, palestras, ampliando, assim, seu networking. Foque os seus objetivos. Agindo dessa forma, seu futuro promissor já está sendo traçado. Do resto, é subir no palco e fazer o que você mais entende: música!

 Artigo publicado na revista Fusão Cultural – Abril de 2010 – www.fusaocultural.com.br